"A injustiça num lugar qualquer é uma ameaça à justiça em todo o lugar." (Martin Luther King Jr)

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Newsletter

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Projeto Leitura Amiga recebe apoio da CGJ

Voluntários e abrigos podem participar.           No projeto Leitura Amiga, voluntários leem livros para crianças e adolescentes que vivem em casas de acolhimento, por meio virtual (videochamadas e lives). A iniciativa foi idealizada pela juíza Marina Freire, da Comarca de Bauru. Ontem (22) a prática ganhou o apoio da Corregedoria Geral da Justiça. Foi publicado no Diário da Justiça Eletrônico parecer da assessoria e aprovação do corregedor-geral, ressaltando o papel do projeto na efetivação dos direitos constitucionais à cultura, ao lazer e à educação.         O objetivo da magistrada é estimular o hábito da leitura e propiciar ambiente acolhedor e de segurança psíquica às crianças e jovens antes de dormirem. A utilização de meios virtuais permite que todas as casas de acolhimento interessadas participem, simultaneamente, de uma leitura coletiva, tornando o acesso amplo e gratuito. A ação colabora para que acolhidos também contem com a atenção de outras pessoas, além das que já atuam nas instituições.         Qualquer pessoa pode ser voluntária (doando livros ou lendo histórias), bem como magistrados e abrigos que se interessem pelo projeto. Para isso, basta entrar em contato pelo instagram @projetoleituraamiga ou pelo e-mail mfreire@tjsp.jus.br. O voluntário deve informar o RG para formalização do cadastro. No caso dos abrigos, o coordenador do local deve indicar um responsável pelas crianças e pelos adolescentes no período da noite, pessoa para quem o link da chamada será enviado. Atualmente, o projeto conta com a participação de 177 voluntários e 30 abrigos.         De acordo com o parecer da CGJ, o Leitura Amiga atende dispositivos legais, importantes. “Só haverá que se falar em efetividade com a criação de oportunidades para real e ampla participação de crianças e adolescentes em atividades culturais”, consta no texto. Para persificar e aprimorar a prática, a CGJ indica a participação de crianças e adolescentes acolhidos como leitores principais dos livros escolhidos, de para que sejam o próprio centro da atividade desenvolvida. Também sugere o incentivo para que escrevam histórias, que podem vir a ser contadas no projeto, além de parcerias com editoras, padrinhos e madrinhas para doação de livros.                    imprensatj@tjsp.jus.br         Siga o TJSP nas redes sociais:         www.facebook.com/tjspoficial         www.twitter.com/tjspoficial         www.youtube.com/tjspoficial         www.flickr.com/tjsp_oficial         www.instagram.com/tjspoficial         www.linkedin.com/company/tjesp
23/09/2022 (00:00)

Contate-nos

QUARTIERI SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Rua Cândido Carneiro  133
-  Vila Bom Jesus
 -  São José do Rio Preto / SP
-  CEP: 15014-200
+55 (17) 3364-0362+55 (17) 98107-0673
Visitas no site:  37995
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia